Cuidados especiais no transporte e manipulação de agrotóxicos!

05/06/2018 - Produtores Rurais

A aplicação de agrotóxicos é uma das etapas mais sensíveis de qualquer cultura. O produtor deve levar em conta uma série de requisitos, do horário de aplicação à dose de emprego dos agentes; do princípio ativo ao modo de ação. Por isso, é imprescindível que a orientação de aplicação seja feita por um engenheiro agrônomo habilitado.

Segundo o Boletim de Comercialização de Agrotóxicos e Afins, publicado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama), o agronegócio brasileiro consumiu 500 mil toneladas de agrotóxico em 2013. Já a produção nacional desses agentes chegou 430 mil toneladas neste mesmo ano. Para evitar o descontrole no uso do agrotóxico e garantir que o agente seja corretamente aplicado, confira estes cuidados especiais que toda cultura deve ter:

A compra do agrotóxico

Preço é importante, mas na compra de agrotóxicos é preciso levar em conta outros fatores, pois cada agente tem seu uso específico para certo tipo de praga e momento de produção. De nada adianta comprar o mais barato se ele não vai atender ao propósito. Além disso, a opção sempre deve ser por produtos originais, pois os contrabandeados e falsificados podem ter uma carga de veneno muito maior — o que irá prejudicar a cultura, a saúde e todo o entorno da plantação.

Conversar com o engenheiro agrônomo sobre a melhor forma de aplicar o produto e de manuseá-lo é outra atitude imprescindível. Além de questões relacionadas ao agente, ele informará também quais são os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) necessários para aplicação do agrotóxico.

Escala de toxicidade

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) classifica os agrotóxicos em quatro classe, de acordo com seu grau de toxicidade:

  • ·Classe 1 (vermelha): extremamente tóxico;
  • ·Classe 2 (amarela): altamente tóxico;
  • ·Classe 3 (azul): medianamente tóxico;
  • ·Classe 4 (verde): pouco tóxico.

Essa escala diz respeito ao perigo para o ser humano, e não à eficiência ao combate de pragas. Portanto, a melhor atitude é preferir produtos menos tóxicos e só levar os mais perigosos em casos de falta do agente para a praga da cultura.

O transporte do agrotóxico

O agrotóxico deve ser transportado na caçamba de caminhonetes, sem a presença de outros produtos, animais e alimentos. A caçamba deve ser coberta por uma lona impermeável. É importante que o comprador cheque antes de sair da loja se as embalagens apresentam vazamentos. Além disso, o comprador deve solicitar a nota fiscal do produto e tê-la em mãos durante o transporte do agrotóxico. Qualquer desrespeito a essas regras irá acarretar multa ao condutor e ao vendedor. A ficha de emergência é fundamental.

Antes de aplicar o agrotóxico

Calibrar e preparar a calda exige cuidados para evitar contaminação, vazamentos e problemas para a saúde e meio ambiente. O primeiro passo é prestar atenção nos componentes corretos, como bicos, filtro, agitadores e manômetros. Eles serão responsáveis pelo bom funcionamento do pulverizador e por uma aplicação mais segura.

A calda pode ser preparada diretamente no tanque ou por meio de uma pré-diluição. É essencial a orientação do agrônomo e ler atentamente as informações do fabricante antes de preparar o material. Apenas a quantidade necessária para aquela aplicação deve ser preparada.

As informações do agrotóxico podem ser fornecidas por meio de um software que armazena todos os dados sobre o produto, como ingredientes ativos, doses, restrições, manejo e aplicação. Além disso, o lojista pode ter um histórico do produtor, de sua cultura e os problemas tratados, o que pode ajudar na hora da escolha do melhor produto.

O momento da aplicação

Todo aplicador deve usar os EPIs indicados pelo agrônomo, conforme detalhado no receituário agronômico. Os melhores horários para aplicar o agente são o início da manhã e o final da tarde, períodos em que o sol não está muito forte. É importante se posicionar para não ficar contra o vento e receber a nuvem do agente agrotóxico.

O agrotóxico nunca deve ser aplicado quando estiver chovendo, pois perderá a eficiência e só irá contaminar o meio ambiente. Lembre-se: uma boa hidratação antes e depois da pulverização também é importante.

Nas aplicações áreas, o cuidado deve ser redobrado. Sempre siga as orientações do receituário agronômico.

Armazenagem e descarte de embalagens

Não importa a quantidade, o agrotóxico deve ser armazenado de forma segura e de acordo com algumas regras:

  • ·O local deve ser livre de inundações e afastado de fontes de água, residências e animais. Deve ser de alvenaria e ter boa ventilação e iluminação natural;
  • ·Telhado e instalações elétricas devem ter bom estado, para evitar vazamentos e curtos-circuitos;
  • ·As embalagens devem ser colocadas em um estrado e ficar acima do nível do chão. Devem estar sempre fechadas;
  • ·O depósito deve ser identificado com placas de perigo e seu acesso deve ser restrito;

Quando o produto terminar, as embalagens flexíveis devem ser colocadas dentro de sacolas de resgate e enviadas ao revendedor. Já as embalagens de galão devem passar pela tríplice lavagem, com orientação do engenheiro agrônomo. Depois, também devem ser transportadas ao lojista, que fará o descarte correto. A embalagem de agrotóxico nunca deve ser reutilizada para qualquer uso.

O local para entrega das embalagens deve estar identificado na nota fiscal eletrônica e no receituário agronômico.

Ainda tem dúvidas sobre o uso correto e seguro de agrotóxicos? Deixe o seu comentário abaixo!

COMPARTILHE

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM

Controle de plantas daninhas: Como reduzir os custos?

25 outubro, 2016 - Produtores Rurais

Um dos maiores desafios do produtor é o controle de plantas daninhas. E combater a proliferação das mais variadas espécies é uma tarefa que não deve gerar gastos tão altos que possam chegar a elevar os custos de produção. Quer saber como? Acompanhe!

LEIA MAIS

Entenda o que é agricultura de baixo carbono e a sua importância para o meio ambiente

20 outubro, 2016 - Produtores Rurais

Você sabia que a produção de alimentos é uma das vertentes do setor agrícola que mais contribuem com o desequilíbrio do efeito estufa? Veja neste artigo os benefícios da agricultura de baixo carbono. Não perca!

LEIA MAIS

Administração agrícola: gestão de custos nas fazendas

09 março, 2016 - Produtores Rurais

A gestão de custos nas fazendas é o ponto de partida para obter informações confiáveis sobre o processo de produção, estabelecimento de controles adequados e recolhimento de informações adequadas para a tomada de decisão. Acompanhe!

LEIA MAIS

FAÇA SUA BUSCA

CONHEÇA NOSSOS EBOOKS

Conteúdo para você entender ainda mais do seu negócio. Clique aqui

MÓDULOS SOFTWARE AGROW

  • MÓDULO
    COMERCIAL

    Gestão de estoque e custos, gerenciamento de compras, vendas e faturamento, operações de entradas e saídas, tabelas de preços, transferências, comissões e/ou serviços com os parceiros (clientes/fornecedores).

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    FINANCEIRO

    Gerenciamento de despesas e receitas, conciliações, saldos bancários, centros de resultados, naturezas, projetos, controle de cheques, boletos, fluxo de caixa e agenda financeira.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    FISCAL

    Cálculo automático dos impostos e tributações de acordo com o produto e a UF de origem/destino, geração do SPED Fiscal, SPED Contribuições, nota fiscal eletrônica e ECF (Emissor de Cupom Fiscal).

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    AGRONÔMICO

    Consulta ao compêndio eletrônico de defensivos agrícolas e bulas de produtos formulados, geração do receituário agronômico, ficha de emergência, e histórico com fotos de pragas e doenças.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    RELACIONAMENTO

    Gerenciamento do perfil do cliente, áreas cultivadas, potencial de compra, apontamento das visitas técnicas inclusive com a adição de fotos, Cropbook e Customer Life.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    INTEGRAÇÃO

    Integração com fabricantes como Bayer, Basf, Syngenta e os demais, órgãos reguladores como IMA, Agrodefesa, IDAF e os outros, instituições bancárias, fornecedores (xml nota fiscal eletrônica) e filiais.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    GESTOR

    Domínio sobre todas as operações do sistema, através de auditoria, painéis de decisões estratégicas (dashboards), relatórios dinâmicos e controle das movimentações.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    FROTA

    Controle de veículos e máquinas, apontamento de abastecimento e apuração do consumo, acompanhamento das manutenções preventivas e corretivas, além do registro da produtividade por máquinas e atividades.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    PRODUTOR

    Gestão das unidades produtivas, culturas, variedades, lavouras, talhões e roças. Aplicações de defensivos e fertilizantes, produção agrícola, colheita, armazenagem e comercialização.

    CONHEÇA