Saiba qual a importância do cálculo do custo operacional de máquinas e implementos agrícolas

19/08/2016 - Produtores Rurais

Visando ganhar competitividade e destaque no mercado e também ter mais acesso às linhas de crédito das instituições financeiras, diversas empresas agrícolas vêm buscando maximizar a eficiência para que possam produzir mais, gastando menos.

O produtor rural, compreende que seu negócio depende de uma série de variáveis, por isso, para garantir bons preços e um lugar ao sol no mercado, é preciso controlar de forma precisa o custo operacional de máquinas e implementos agrícolas.

Esse tipo de controle, além de proporcionar resultados em termos de mercado, favorece a formação de estratégias mais efetivas para o próprio agronegócio. Embora o cálculo e o controle de custo operacional seja uma prática comum em muitas empresas, no meio rural ela ainda é pouco praticada. No post de hoje, vamos tratar um pouco mais sobre a importância desse cálculo e o que o produtor rural deve considerar na hora de mensurar seu custo operacional.

Quanto gasta seu trator?

Gerenciar o maquinário agrícola controlando gastos com combustíveis e lubrificantes, por exemplo, pode ser a diferença entre o lucro e o prejuízo no final do mês. Esse tipo de despesa é classificada como custo operacional, uma vez que é possível medir seu consumo por hora trabalhada. Em cada safra, o produtor rural pode medir seus gastos mensais com o objetivo de avaliar se consumiu mais ou menos e se isso influenciou na produtividade da fazenda como um todo. Em geral, os custos com lubrificantes e combustível representam de 20% a 30% dos totais da máquina, daí o empreendedor já tem uma expectativa de quanto poderá gastar.

Embora nem sempre haja previsão nos cálculos, fatores como clima, estrutura do terreno, condições de manutenção, entre outras são de extrema relevância para que o produtor tenha um panorama preciso do seu negócio e na hora de tomar decisões tenha maior assertividade.

Dificuldades na hora do cálculo

Muitos produtores rurais erram ao não determinar a depreciação do equipamento e não diferenciar custos fixos e variáveis. Isso faz com que os cálculos sigam um padrão metodológico único, porém que mascara o valor real.

A depreciação dos equipamentos em geral é considerada como a diferença entre o valor de compra e o valor futuro de venda dividido pelo período de utilização possível, ou seja, aquelas 24 horas por dia em 365 dias por ano. No meio rural, existem tabelas disponibilizadas pela EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e pela CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento), ambas relacionadas ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que estimam as vidas úteis de diversos implementos, máquinas, instalações, etc., bem como os valores residuais (valor de venda dos implementos/máquinas usados), para facilitar estes cálculos.

Outra grande questão é diferenciar o que é custo fixo e o que é o variável de máquinas. Os fixos são aqueles que o proprietário deve arcar com o equipamento trabalhando ou não, por exemplo, preço de compra, juros, seguro, depreciação, garagem (abrigo), etc.. Já os custos variáveis são os que dependem do equipamento realizando alguma operação funcional, como por exemplo, diesel, salário do operador, manutenção, etc.

O custo de manutenção adotado para máquinas e implementos agrícolas é de 100% do valor de compra no período da vida útil, ou seja, se um implemento custa R$ 70.000,00, o proprietário gastará este mesmo valor até o fim da vida útil do implemento, somente com a manutenção do mesmo.

Vale destacar que, para o cálculo real do custo do seu equipamento, devem ser consideradas as horas trabalhadas pelo equipamento durante um determinado período padrão, em geral um ano.

Com o avanço da tecnologia, existem disponíveis no mercado diversos softwares que auxiliam na realização dos cálculos, sobretudo apuram o custo agrícola por atividade/implemento agrícola, ajudando o produtor rural a ter uma dimensão melhor de seu negócio. Outro fator importante é avaliar a produtividade de cada máquina por atividade agrícola, podendo identificar que um determinado trator é mais eficiente que outro na relação custo hora x produtividade.

E você, tem realizado o cálculo operacional dos implementos agrícolas? Acredita que ele é capaz de fazer a diferença? Deixe seu comentário abaixo e continue acompanhando nosso blog ou entre em contato conosco!

COMPARTILHE

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM

Gestão agrícola: transformando esforços em bons resultados

20 julho, 2016 - Produtores Rurais

Na propriedade rural, é importante que você tenha todo um planejamento definido, pois além de evitar contratempos, é possível projetar novas intervenções, evitando riscos e gerando economia. Mas quais os pontos que devem ser levados em conta? Acompanhe!

LEIA MAIS

Como gerenciar sua frota e evitar imprevistos durante a colheita

20 março, 2017 - Produtores Rurais

Documentar as atividades relacionadas a utilização de máquinas e implementos agrícolas na propriedade rural garante a produção e o escoamento da sua safra. Quer saber como? Leia o artigo:

LEIA MAIS

Como investir em tecnologia para gestão de fazendas

16 outubro, 2017 - Produtores Rurais

O uso da tecnologia na gestão dos processos permite concentrar as informações de sua fazenda e atividades em um único local aplicando padrões e garantindo conformidade e rastreabilidade que se traduzem em economia de tempo e recursos e melhores apurações.

LEIA MAIS

FAÇA SUA BUSCA

CONHEÇA NOSSOS EBOOKS

Conteúdo para você entender ainda mais do seu negócio. Clique aqui

MÓDULOS SOFTWARE AGROW

  • MÓDULO
    COMERCIAL

    Gestão de estoque e custos, gerenciamento de compras, vendas e faturamento, operações de entradas e saídas, tabelas de preços, transferências, comissões e/ou serviços com os parceiros (clientes/fornecedores).

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    FINANCEIRO

    Gerenciamento de despesas e receitas, conciliações, saldos bancários, centros de resultados, naturezas, projetos, controle de cheques, boletos, fluxo de caixa e agenda financeira.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    FISCAL

    Cálculo automático dos impostos e tributações de acordo com o produto e a UF de origem/destino, geração do SPED Fiscal, SPED Contribuições, nota fiscal eletrônica e ECF (Emissor de Cupom Fiscal).

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    AGRONÔMICO

    Consulta ao compêndio eletrônico de defensivos agrícolas e bulas de produtos formulados, geração do receituário agronômico, ficha de emergência, e histórico com fotos de pragas e doenças.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    RELACIONAMENTO

    Gerenciamento do perfil do cliente, áreas cultivadas, potencial de compra, apontamento das visitas técnicas inclusive com a adição de fotos, Cropbook e Customer Life.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    INTEGRAÇÃO

    Integração com fabricantes como Bayer, Basf, Syngenta e os demais, órgãos reguladores como IMA, Agrodefesa, IDAF e os outros, instituições bancárias, fornecedores (xml nota fiscal eletrônica) e filiais.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    GESTOR

    Domínio sobre todas as operações do sistema, através de auditoria, painéis de decisões estratégicas (dashboards), relatórios dinâmicos e controle das movimentações.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    FROTA

    Controle de veículos e máquinas, apontamento de abastecimento e apuração do consumo, acompanhamento das manutenções preventivas e corretivas, além do registro da produtividade por máquinas e atividades.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    PRODUTOR

    Gestão das unidades produtivas, culturas, variedades, lavouras, talhões e roças. Aplicações de defensivos e fertilizantes, produção agrícola, colheita, armazenagem e comercialização.

    CONHEÇA