O que é DRE e como fazê-la para o seu negócio

17/05/2015 - Revendas

Diversas são as obrigações das revendas de insumos agrícolas, que vão desde o pagamento de impostos até a elaboração de demonstrações financeiras, necessárias à divulgação de informações relevantes e que também servem de instrumento nos processos de tomadas de decisões.

Uma dessas muitas obrigações é a Demonstração do Resultado do Exercício, ou apenas DRE, que tem um forte caráter informativo e desempenha um papel importante no planejamento estratégico de uma revenda de insumos agrícolas. Saiba mais sobre esse documento e veja como fazê-lo corretamente:

Conceito de DRE

A Demonstração do Resultado do Exercício visa demonstrar de forma qualitativa e quantitativa a formação do resultado líquido do exercício do revendedor agrícola. Essa demonstração é feita através da apuração das receitas, dos custos e dos resultados de determinado período, que são verificados em conformidade com o princípio contábil do regime de competência de contas.

Em linhas gerais, a DRE nada mais é do que um resumo financeiro dos resultados operacionais e não operacionais da revenda, compreendidos em um determinado período de tempo, que servirá como base para o desenvolvimento de análises e planejamentos por parte da administração. Essa visão geral é um fator importante para a tomada de decisões da revenda de insumos agrícolas, principalmente no que diz respeito à expansão de seus negócios, adoção de diferentes estratégias de venda, bem como de redefinições de seus relacionamentos com fornecedores.

A DRE é elaborada, geralmente, uma vez por ano, mas não há uma periodicidade fixa, podendo ser realizada conforme a necessidade da revenda e dos departamentos contábil e fiscal. Através de um software de gestão é possível fazer a geração e o acompanhamento da DRE a qualquer momento.

Quais as informações contidas em uma DRE

Dentre as diversas informações que devem constar na DRE, os valores referentes à receita bruta de vendas, suas deduções e os impostos incidentes sobre as operações da revenda de insumos agrícolas e seus respectivos abatimentos, são dispostos de forma organizada a fim de demonstrar o racional por trás do resultado líquido da revenda.

Uma vez dispostos, chega-se ao valor da Receita Líquida do período que está sendo analisado, do qual são subtraídos os valores referentes aos custos dos produtos e mercadorias adquiridos para a revenda, chegando-se, assim, ao Resultado Operacional Bruto. Após, devem ser subtraídas as despesas incorridas no período e acrescidas outras receitas provenientes de outras fontes, o que dará origem ao Resultado Operacional Líquido, antes da incidência dos impostos cabíveis.

O Resultado Líquido antes da Participação nos Lucros é obtido após a subtração do valor dos impostos calculados, sendo que o valor da PLR (Participação nos Lucros e Resultados, bônus pago aos funcionários anualmente, conforme definições em Acordo Coletivo entre a revenda e seus empregados) será calculado sobre o Resultado Líquido antes da PLR, menos o valor do prejuízo acumulado em exercícios anteriores.

Qual a importância da DRE para o revendedor agrícola

Por possibilitar uma visão geral da saúde financeira da revenda e obter, assim, informações importantes para traçar metas e redefinir estratégias de venda, a elaboração da DRE tem um papel crucial para o revendedor de insumos agrícolas.

Através da análise dos números nela contidos, o revendedor é capaz de ter uma ideia mais ampla sobre o sucesso de seu negócio ou até mesmo de pontos que precisam ser trabalhados ou abordados de outras formas a fim de obter os resultados desejados, em concordância com as metas estabelecidas.

Da DRE é possível extrair informações relativas às despesas da revenda, o nível de eventual endividamento em que ela se encontra, ou o bom desempenho de suas vendas. A partir daí, é possível mensurar os valores dos ganhos ou perdas, além de possibilitar a adoção de medidas estratégicas a fim de minimizar riscos e possibilitar novas oportunidades de crescimento.

A partir das informações contidas na DRE, é possível fazer uma análise crítica dos números apresentados, além de possibilitar um planejamento estratégico mais completo e detalhado, a fim de aumentar as vendas de insumos agrícolas, negociar preços de custo com os fornecedores e viabilizar a criação de cenários alternativos para suas operações visando a expansão da sua revenda, captação de recursos e aumento da sua margem de lucro.

Diante de declarações como a DRE, fica clara a importância da contabilidade para a boa gestão da sua revenda de insumos agrícolas. Ainda tem dúvidas sobre essa declaração ou outros aspectos contábeis do mercado? Entre em contato conosco ou deixe aqui o seu comentário!

COMPARTILHE

DEIXE SEU COMENTÁRIO

VEJA TAMBÉM

Fim do boleto de cobrança sem registro

02 junho, 2016 - Revendas

A partir de 01/01/2017, conforme autorização do Banco Central, a rede bancária não mais aceitará boletos sem registro. Neste post, além dos esclarecimentos necessários para a adoção do boleto com registro, elencamos algumas vantagens e desvantagens.

LEIA MAIS

Como definir indicadores de desempenho nas revendas agrícolas

16 maio, 2017 - Revendas

Conhecendo o seu negócio, fica mais fácil determinar quais indicadores vão de encontro aos objetivos traçados.

LEIA MAIS

Ajuste preços de produtos agrícolas na sua loja agropecuária sem perder clientes

14 agosto, 2015 - Revendas

Precisa aumentar o preço dos produtos da sua loja agropecuária e está se perguntando se é possível fazer isso sem que o produtor sinta muito incômodo? Com as soluções corretas, essa situação pode ser contornada!

LEIA MAIS

FAÇA SUA BUSCA

CONHEÇA NOSSOS EBOOKS

Conteúdo para você entender ainda mais do seu negócio. Clique aqui

MÓDULOS SOFTWARE AGROW

  • MÓDULO
    COMERCIAL

    Gestão de estoque e custos, gerenciamento de compras, vendas e faturamento, operações de entradas e saídas, tabelas de preços, transferências, comissões e/ou serviços com os parceiros (clientes/fornecedores).

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    FINANCEIRO

    Gerenciamento de despesas e receitas, conciliações, saldos bancários, centros de resultados, naturezas, projetos, controle de cheques, boletos, fluxo de caixa e agenda financeira.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    FISCAL

    Cálculo automático dos impostos e tributações de acordo com o produto e a UF de origem/destino, geração do SPED Fiscal, SPED Contribuições, nota fiscal eletrônica e ECF (Emissor de Cupom Fiscal).

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    AGRONÔMICO

    Consulta ao compêndio eletrônico de defensivos agrícolas e bulas de produtos formulados, geração do receituário agronômico, ficha de emergência, e histórico com fotos de pragas e doenças.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    RELACIONAMENTO

    Gerenciamento do perfil do cliente, áreas cultivadas, potencial de compra, apontamento das visitas técnicas inclusive com a adição de fotos, Cropbook e Customer Life.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    INTEGRAÇÃO

    Integração com fabricantes como Bayer, Basf, Syngenta e os demais, órgãos reguladores como IMA, Agrodefesa, IDAF e os outros, instituições bancárias, fornecedores (xml nota fiscal eletrônica) e filiais.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    GESTOR

    Domínio sobre todas as operações do sistema, através de auditoria, painéis de decisões estratégicas (dashboards), relatórios dinâmicos e controle das movimentações.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    FROTA

    Controle de veículos e máquinas, apontamento de abastecimento e apuração do consumo, acompanhamento das manutenções preventivas e corretivas, além do registro da produtividade por máquinas e atividades.

    CONHEÇA
  • MÓDULO
    PRODUTOR

    Gestão das unidades produtivas, culturas, variedades, lavouras, talhões e roças. Aplicações de defensivos e fertilizantes, produção agrícola, colheita, armazenagem e comercialização.

    CONHEÇA